sábado, abril 29, 2006

A estupidez do corunhesismo

O “corunhesismo” e a realidade corunhesa

Qual é a reivindicaçom principal do corunhesismo, do que Francisco Vázquez era principal abandeirado e do que agora Javier Losada é fiel continuador? A capitalidade da comunidade autónoma da Galiza. Segundo esta peculiar doutrina, que alumea os retortos caminhos dos que regem os destinos do Concelho da Corunha, A Corunha tem um direito histórico a ser capital, um direito que foi traído pola totalidade das forças políticas durante o debate do estatuto de autonomia vigorante. O corunhesismo acha que Galiza tem umha dívida com Corunha, que é resarcir essa traiçom. Som curiosos os argumentos que costumam expôr para explicar tal tese. Dim que A Corunha é a cidade “mais importante” da Galiza – sem que nunca se esclareza em quê consiste essa “maior importáncia” – dim que foi a capital da ilustraçom galega, que tem umha provada tradiçom liberal, etc., em contraposiçom com o carácter mais fechado e reaccionário de Compostela, mais ligada à Igreja. Mas quando falam do carácter “liberal” corunhês, nom reivindicam a indiscutível referencialidade da Corunha na história do galeguismo ou a importáncia do movimento operário corunhês e a sua também inocultável pegada histórica...nada mais longe disso; delatam-se ao aprofundar nesse contraponto Corunha-Compostela, reivindicando a elementos como Alfonso Molina ou Salvador de Madariaga, e aliás “pincham” quando assinalam que A Corunha é mais universal que a nossa capital histórica, porque supostamente olha mais cara fora a nível cultural, é menos nacionalista e fala espanhol (isto último parece nom ser tam certo como se pensava até há pouco, se atendemos aos estudos que se tenhem feito sobre o assunto) em oposiçom a umha Compostela que seria mais reflexo do pior do país, ou seja, seria mais fechada, seria culturalmente falando mais nacionalista, e falaria mais em galego. Dezia o intelectual corunhês Antón Vilar Ponte que pouco universal se pode ser se nom tens nada que aportar ao mundo, e se os galegos e as galegas nom preservamos o nosso nada teremos que pintar no mundo, francamente. Assim que essa dicotomia plantejada polos “corunhesistas”, enfim, é bastante frágil.

Agora vamos ver se o “corunhesismo”, que di defender à cidade da Corunha e os seus interesses por cima de tudo, conecta de verdade desde as suas reivindicaçons principais com as necessidades reais do povo. Vejamos: primeiro, topónimo; curioso que a cidade que nom renuncia a ser capital de um país negue a língua desse país e se envergonhe do seu nome. Segundo; bandeira do Orçám, outra flagrante contradicçom, a saber, dim que é umha homenagem aos valores constitucionais e aos idiomas do estado, isto num concelho que tem proscrita a língua galega e que em matéria de toponímia se teima em violar a lei. Terceiro, capitalidade; a estas alturas? Deixemos de perder o tempo, e aliás veja-se primeiro ponto: umha capital que nega ao próprio país é um absurdo. E quarto, um arcebispado para Corunha; este já me absterei de o comentar por razons mais do que evidentes.

A realidade que este governo municipal nom afronta, porque se importa bem pouco com ela : a carestia da vivenda, o funcionamento caótico do transporte público (para mais também abusivamente caro) as altas taxas de desemprego, que irám em ascensom porque na Corunha nom fam mais que fechar empresas; o crescimento imparável da pobreza...essa é a realidade. Há quem di que o melhor alcaide da Corunha foi Paco Vázquez; pois se ser bom alcaide vem consistindo em destroir umha cidade, estou totalmente de acordo. A Corunha nom será capital administrativa da comunidade autónoma nem capital histórica da naçom galega, agora, é indiscutivelmente capital da especulaçom urbanística, do desemprego, da pobreza e de outras lacras.

5 Comments:

At 9:11 PM, Anonymous Anônimo said...

Exacto: é o que dis no teu último parágrafo. O resto nom é mais do que propaganda barata, e ainda por cima espanholista. Só acrecentar que, para além de todas essas "chorradas españolas", há que aturar desse discurso demencial-surrealista-delirante que à Crunha "roubarom-lhe cousas". Roubarom-lhe o quê, ho? Nunca tanto se invistiu em postos de trabalho da administraçom do Estado (espanhol) na Galiza como na Crunha, ao tempo que se andava a eliminar todos os postos de trabalho que criam país e apagam a dependência.

Como dim eles, é que nom dam pontada sem fio.

 
At 1:26 PM, Blogger 33 revoluciones said...

Hola, meu, son o Enver... aquí travestido de 33 r.p.m. supoño que verías no meu blog que inauguerei un en blogger para discutir temas atrístico-culturais con algúns membrillos (cariñosamente) que coñezo polo estado e latinoamérica adiante.
Xa nin me acordaba que ti tamén tiñas un blog aquí en Blogger!!, agora que somos veciños tamén aquí pois me pasarei a facerte visitas... xa agregei este aos meus blogs favoritos para que non se me vaia o olla de novo... pero esta entrada xa a comentei no teu outro blog!, jejejeje

Un saúdo.

 
At 4:37 PM, Anonymous F. Miguez said...

Totalmente de acordo en todo o quer dís, agora só falta cambiar "Corunhesismo" por "Viguesismo" e teríamos un texto igual de válido, coa excepción de que Vigo non reclama capitalidade ningunha, so cartos e favores para os empresarios.

 
At 4:33 AM, Blogger cristaft19475299 said...

Get any Desired College Degree, In less then 2 weeks.

Call this number now 24 hours a day 7 days a week (413) 208-3069

Get these Degrees NOW!!!

"BA", "BSc", "MA", "MSc", "MBA", "PHD",

Get everything within 2 weeks.
100% verifiable, this is a real deal

Act now you owe it to your future.

(413) 208-3069 call now 24 hours a day, 7 days a week.

 
At 7:41 PM, Anonymous Anônimo said...

viguesismo si....cartos e diñeiro para os empresarios...si...
desgraciadamente corinita é o único q sabe facer...bueno iso e poñer prantiñas por todas as putas eskinas ...bueno e centros comerciais...ata o carallo das prantiñas,dos centros comerciais,do loiro d bote,e da cona q a botou

 

Postar um comentário

<< Home