quinta-feira, abril 03, 2008

A imagem, ao serviço da mentira


Esta imagem está a dar a volta ao mundo como "prova" de que membros do exército chinês se estám a infiltrar nas manifestaçons independentistas tibetanas para agir de provocadores, disfarçados de monges budistas. Segundo um artigo de Michel Collon publicado em rebelion.org, traduzido para o castelhano por Caty R., a tal foto é em realidade bastante anterior à revolta que está a ter lugar nestes momentos naquele remoto país, ao pé do Himalaia. O momento recolhido nesta foto corresponde ao ano 2002; na imagem vê-se o momento em que um grupo de soldados do Exército Popular de Libertaçom recolhem hábitos de monge com o que se caracterizariam para participar de extras num filme...nada a ver entom com tarefas repressivas.

Há aliás vários detalhes que desmentem a interpretaçom que muitos méios de comunicaçom lhe dam à famosa foto:

1.- É impossível tomar umha foto via satélite desde esse ángulo.

2.- Como é possível que os soldados se disfarcem de monges para fazer de provocadores numha manifestaçom...EM PLENA RUA!!!

3.- Ao fundo vê-se um bici-taxi. O problema é que os bici-taxis já nom tenhem essa cor desde o ano 2005.

4.- Na actualidade, o exército chinês já nom usa esses uniformes.

Há algumha razom mais para nom acreditar na interpretaçom mediática da foto, que nos é revelada no artigo de Collon. Alí também podemos atopar algumhas chaves para re-interpretar a imagem e os propósitos que encerra esta manipulaçom.

Eu já me tenho pronunciado a favor da autodeterminaçom de qualquer povo que desejar a sua independência. O que já me cheira é que se recorra à mentira constante para defender a (causa tibetana?)

Pouco nos contam, ou nada, os defensores da causa tibetana da realidade social deste povo. Do único que sabemos é do forte componhente religioso da sua reivindicaçom nacional. Os defensores da causa tibetana na europa som sempre, ou grupos religiosos, ou entidades e pessoas ligadas às elites. A elite intelectual, desportiva, económica, ou estrelas do espectáculo. Isso é o que há. Cheira.

E de verdade som um povo tam oprimido? Mais brutal me parece o que estám a fazer com o povo mapuche. Porquê ninguém fala d@s mapuches? Ou, quê curioso, já nem nos lembramos do que pode estar acontecendo em Palestina. Vai ser pavero, ver a Israel boicotando as olimpíadas de Pequim polo do Tíbet.

Solidariedade com um povo que procura a sua autodeterminaçom sim, mas...vale tudo? Vale que joguem com a nossa boa fé enganando-nos? Isso nom é manipular?

2 Comments:

At 9:52 AM, Anonymous Sarampelo said...

Tes máis razón que un santo, e iso que eu non creo neles.

 
At 4:01 PM, Anonymous F. Miguez said...

Que vergoñante resulta a maneira de xerar "fakes" e "hoax" nos medios do mundo xeneralizado.
A solidariedade co Tibet é unha moda como calquera outra, China pasa por ser o paradigma mundial do desprecio polos dereitos humanos (conste que nunca estiven alí para velo) e o "progre" ou non tan progre occidental collea agora co asunto Tibetano seguindo a figura oriental de aquel que confunde a Lua co dedo que lla sinala. Totalmente de acordo coa sua reflexión ¿qué dereito tería Israel a boicotear a China?, ¿e os EEUU? ¿Hai alguén que poida tirar a primeira pedra?

 

Postar um comentário

<< Home